Estresse elevado ligado a maior risco de pressão alta e eventos cardíacos.

Adultos com pressão arterial normal e altos níveis de hormônios do estresse apresentam maior probabilidade de sofrer com hipertensão e eventos cardiovasculares, como infarto e derrame. Pelo menos é o que sugere uma nova pesquisa publicada na Hypertension, uma revista da American Heart Association.

Estudos anteriores já mostraram que a exposição cumulativa a estressores diários e ao estresse traumático podem elevar o risco de doenças cardiovasculares. Inclusive, muito se discute sobre a conexão mente-corpo-coração, ou seja, a ideia de que a mente de uma pessoa pode afetar – positiva ou negativamente – sua saúde cardiovascular. 

Segundo os pesquisadores, as análises anteriores se concentraram em observar a relação entre níveis de hormônios do estresse e pressão alta ou eventos cardíacos em pacientes que já conviviam com um quadro de hipertensão. 

No estudo atual, os resultados mostram que os hormônios norepinefrina, epinefrina, dopamina e cortisolpodem aumentar com o estresse de eventos da vida, como o trabalho, relacionamentos e finanças, confirmando que este é um fator-chave para o risco de hipertensão e episódios cardiovasculares.   

Para a equipe, essas informações são importantes para analisar o impacto do estresse em adultos da população geral, bem como para indicar se a medição rotineira dos hormônios do estresse precisa ser considerada como uma estratégia de prevenção da hipertensão e eventos cardíacos. 

Medição dos níveis dos hormônios

Para o estudo, foram utilizados dados de uma grande pesquisa de fatores de risco de aterosclerose (o endurecimento das paredes arteriais) com mais de 6.000 homens e mulheres dos Estados Unidos. Entre os participantes havia negros, brancos e hispânicos com pressão arterial normal e idades entre 48 e 87 anos.

Os pesquisadores avaliaram os índices de norepinefrina, epinefrina, dopamina e cortisol – hormônios que respondem aos níveis de estresse – através de um teste de urina noturno de 12 horas. 

[Colocar ALT]
Confira, aqui, algumas dicas para lidar melhor com o estresse no trabalho

Os participantes foram acompanhados por mais três visitas, entre setembro de 2005 e junho de 2018, para que se observasse o eventual desenvolvimento de um quadro de hipertensão ou a ocorrência de eventos cardiovasculares, como dor no peito, cateterismo com inclusão de stent, infarto ou derrame. 

90% mais chances de eventos cardíacos

  • Em um período de seis anos e meio, cada vez que os níveis dos quatro hormônios do estresse dobraram, foi associado a um aumento de 21 a 31% no risco de desenvolver hipertensão
  • Durante uma média de 11,2 anos de acompanhamento, houve um aumento de 90% no risco de eventos cardiovasculares a cada duplicação dos níveis de cortisol. 

De acordo com os pesquisadores,  estudar o estresse é desafiador, já que seus sinais e impactos podem variar de pessoa para pessoa. Porém, as descobertas podem ajudar a determinar se o estresse é capaz de identificar quem precisa de uma triagem adicional na prevenção da hipertensão e de possíveis eventos cardíacos. 

Fonte: https://doutorjairo.uol.com.br/leia/estresse-elevado-ligado-maior-risco-de-pressao-alta-e-eventos-cardiacos/